Doenças comuns que garantem aposentadoria do INSS

A Aposentadoria por Invalidez concedida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) representa uma alternativa importante para aqueles que enfrentam incapacidade total e permanente devido a doenças graves. 

Essa modalidade, uma das mais conhecidas entre as oferecidas pelo INSS, requer cuidadoso atendimento a critérios específicos.

Para obter esse benefício previdenciário, o requerente deve preencher requisitos cruciais, incluindo a manutenção da qualidade de segurado, a condição de incapacidade total e permanente, e o cumprimento de uma carência de 12 meses. 

A condição de incapacidade total refere-se à impossibilidade absoluta do trabalhador em desempenhar suas funções, sem perspectiva de recuperação ou realocação profissional.

Entenda como funciona

A qualidade de segurado, por sua vez, significa que o indivíduo deve estar trabalhando ou dentro do chamado “período de graça”, um adicional de até 36 meses durante o qual o trabalhador mantém direitos aos benefícios do INSS mesmo sem contribuir ou exercer atividades laborais.

A carência para a aposentadoria, exigindo um mínimo de 12 meses de contribuições regulares à Previdência Social, pode ser dispensada em casos de diagnóstico de doenças graves, irreversíveis ou incapacitantes.

Quais doenças se enquadram?

Diversas condições de saúde, como neoplasia maligna (câncer), cegueira e a doença de Parkinson, são exemplos que conferem direito à aposentadoria por invalidez. No caso do câncer, dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) indicam que o tumor maligno mais incidente no Brasil é o de pele não melanoma, seguido pelos de mama feminina, próstata, cólon e reto, pulmão e estômago.

A cegueira, caracterizada pela perda total ou quase total da visão, causada por diversas condições como doenças oculares e lesões, afeta cerca de 3,5% da população brasileira, conforme informações da BVS e do IBGE.

A doença de Parkinson, uma condição degenerativa do sistema nervoso central, com sintomas como tremores, rigidez muscular e dificuldades de equilíbrio, afeta aproximadamente 1% da população mundial com mais de 65 anos, com estimativas de 200 mil afetados no Brasil, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) disponibilizados pela BVS.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.