Informação confirmada sobre vírus em TV box pirata

Uma botnet composta por TV boxes ilegais acendeu o sinal de alerta na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O conselheiro Artur Coimbra recomendou, em entrevista exclusiva ao Tecnoblog, que os consumidores joguem fora os equipamentos infectados, enfatizando os riscos de segurança associados.

A ação da Anatel vem após uma denúncia de um centro de pesquisas chinês, que identificou mais de 1,3 milhão de endereços IP localizados no Brasil sendo utilizados por uma botnet. Esses equipamentos zumbis continham vírus e malwares, permitindo que fossem acionados remotamente para executar diversas tarefas maliciosas.

De acordo com especialistas chineses, a maioria dos dispositivos comprometidos são TV boxes, sendo o Brasil o país com maior incidência. São Paulo lidera a lista dos estados mais afetados, seguido pelo Rio de Janeiro. Outros estados citados incluem Amazonas, Tocantins, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Paraná e Santa Catarina.

Artur Coimbra revelou que a Anatel já tinha indícios de atividades suspeitas na internet brasileira desde agosto de 2023. Ele destacou que os provedores de acesso adotaram diversos protocolos para conter a ameaça.

Sem certificação os riscos são maiores

O conselheiro alertou que muitos consumidores podem não perceber os problemas ao adquirir uma TV box irregular. Além de não ser certificada pela Anatel, esses dispositivos ainda podem facilitar o consumo de conteúdo ilegal. Coimbra enfatizou: “Se você tem uma dessas, descarte”.

Ele recomendou aos usuários que verifiquem a presença do selo da agência antes de comprar uma nova TV box, pois existem diversas opções legais no mercado. As TV boxes ilegais, apesar de populares por desbloquearem acesso a plataformas de streaming e canais de TV por assinatura, representam um risco à segurança.

Vulnerabilidades das TV’s Boxes

Coimbra alertou especificamente sobre as TV boxes com sistema Android TV, ressaltando que, embora rodem um sistema desenvolvido pelo Google, muitas delas não contam com mecanismos básicos de proteção. Esses dispositivos deixam frequentemente de receber atualizações de segurança, tornando-se alvos mais fáceis para ciberataques.

O laboratório antipirataria da Anatel identificou, em 2022, a presença de cavalos de Troia e backdoors embarcados em unidades de TV box irregular. Isso permite que atacantes controlem remotamente os aparelhos e tenham acesso aos demais dispositivos na rede doméstica do consumidor.

Coimbra destacou que as comunicações das TV boxes irregulares com a internet carecem do mesmo nível de criptografia presente nos aparelhos regulares. Isso significa que, teoricamente, é possível interceptar e ler os dados transmitidos por esses dispositivos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.